Autor: Zulmira Carvalheiro

Persistência bacteriana

Ela era uma bactéria vivendo junto com outras bactérias dentro de uma gota de muco nojento, em um canto esquecido de um vaso sanitário. De um banheiro público. Mas alguma coisa diferente acontecia com ela, que não se conformava em estar ali parada. “Quanto tempo vamos ficar aqui, sem infectar ninguém? Não aguento mais!” As outras tentavam ser pacientes: “Não… Read more →

Carta de demissão

São Paulo, 4 de março de 1971 Ao Chefe do Departamento Pessoal do Banco Comercial Bandeirantes São Paulo – SP Prezado Senhor: Escrevo esta carta a fim de comunicar que não aceito a vaga de auxiliar de escritório na seção de contabilidade desse banco. O motivo é que tenho certeza de que não conseguirei me adaptar àquele ambiente de trabalho… Read more →

Terrarium

Minha tribo vive dentro desta bolha há milhares de anos. Mas nem sempre foi assim. Tudo começou quando uma epidemia manifestou-se nesta região do planeta. Escrituras antigas dizem que éramos uma nação numerosa, em plena harmonia com a natureza. Porém um dia a floresta engendrou um vírus mortal. Inúmeros nativos foram afetados, e todos os que se aproximaram tentando ajudar… Read more →

Voltar para casa

Não, não nego nenhuma das acusações. Todas são verdadeiras nos seus pormenores. Eu fiz tudo isso e muito mais. Exibicionismo? Talvez. Leviandade? É possível. Sempre fui um pouco leviana. Quem sabe um desejo de subverter tudo, de chocar as pessoas. Desejo inconsciente de ser descoberta. Como fui. Em outras épocas as imprudências podiam nos custar a vida, e realmente custaram.… Read more →

O gigante e a pombinha

Minha filha Vanessa, quando pequena, adorava ouvir histórias antes de dormir. Foi por causa dela que me tornei escritora. Ao contrário das outras crianças, ela não gostava de histórias repetidas. Às vezes, por falta de ideias, eu tentava reciclar velhos contos de fadas mudando um pouco os personagens e o enredo, mas ela sempre reconhecia e reclamava: ― Não, mamãe,… Read more →

Uno

Juntos estamos como há muito temos estado. Só nós dois. Eu, deus. Ele, meu derradeiro crente. Ninguém mais. Tanto tempo, tanto tempo, que as bordas se desvaneceram. É ele que está comigo, aqui onde habitam os deuses, entre as nuvens luminosas que vagam sobre os picos mais altos? Ou sou eu que estou com ele, lá onde habitam os humanos,… Read more →

Fergus e Brianna

Brianna chegou e foi direto para o quarto. Já entrou tirando os sapatos. ― Fergus! Deitado no meu travesseiro, né? ― É macio. Perfumado. ― Tá bom. Mas não acostuma, tá? ― Estou aquecendo pra você.     A menina largou a bolsa em qualquer lugar e se atirou na cama. ― Ai que cansaço. ― Pode ir contando. Como… Read more →