Feliz Ano novo.

 ⁠A gente terminou
E de repente
Tudo o que eu toquei e que senti foi um consolo
Por não ter você mais ali
Na minha frente
Eu consigo sentir o sabor da angústia misturado com o sabor do batom novo
Eu consigo sentir o cheiro da esperança em nós morrendo
Quando cuido dos meus cabelos
As roupas que eu usei, as fotos que eu tirei, as pessoas que encontrei,
Todos amassados
Numa lembrança muito clara
De libertação e queda livre
Mas eu uso as mesmas roupas
O mesmo creme de cabelo
O mesmo batom.
Vejo as mesmas pessoas.
Insisto na lembrança daquela dor.
Aquele quarto de motel ainda me excita
A aventura do mundo sem você
Me excita.
A chuva de urubus em volta da minha carne podre
O cheiro da chuva
A grama molhada
Minhas escolhas impulsivas
Minhas vinganças escondidas
O melhor e o pior de mim.
Eu amo você. Eu amo amo amo você. Eu amo a dor de não te ter.
Eu amo o sufoco
A lama
Eu amo me corromper
Me motivar pelo desespero
De não poder te ver.
Eu caminhei
Eu fui
Andei
Não fugi.
Enfrentei
Eu voltei
Mas não voltei
Oi
Não sou mais eu
Eu sou eu
Você é você
Não somos nós
Não somos um
Nós somos dois
Muitos
Cada dia novos.
Você e eu
Eu e você
Dois Aqui, lá
Sem tirar, só pôr
Só por
Mim
Ou você
Que seja, se quiser
Se não, não é
Que ande, que doa
Doendo ou não
Mas que ande
Pra frente, pra cima
Não de volta pro porão
Sem deixar juntar poeira
Em algo bom.

  1 comment for “Feliz Ano novo.

  1. Willian Fernandes
    8 de junho de 2017 at 20:48

    Gostei da forma, e do jogo de palavras/contrastes, só acho que foi um pouco demais… talvez menos contrastes e mais das imagens que você passa tão bem em alguns pontos fosse mais impactante ^^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *